Mi bebé y yo

Líbido na gravidez aumenta ou diminui?

( 0 votos) load
facebook twitter whatsapp

Desde que está grávida o seu desejo sexual está em valores mínimos? Ou, pelo contrário, as suas relações sexuais são mais prazenteiras do que nunca? Explicamos-lhe como muda a líbido nos três trimestres da gravidez.

A líbido na gravidez é uma questão que preocupa muitas futuras mamãs que, apesar de estar a viver uma gravidez plácida, podem notar uma significativa falta de desejo devido, em parte, às mudanças hormonais próprias da gestação e, em parte, aos medos, preconceitos ou falsas crenças que possam ter. Mas é normal que a líbido diminua durante a gravidez? Pode fazer-se alguma coisa para a aumentar? Ou, pelo contrário, pode acentuar-se o desejo, a qualidade das relações e, até, a intensidade dos orgasmos quando se está à espera de um bebé? A resposta, com toda a probabilidade, é sim a tudo. Explicamos-lhe o porquê de cada caso.

Uma líbido diferente em cada trimestre de gravidez

É importante sublinhar que a futura mamã, como mulher que é, pode sofrer oscilações significativas do desejo sexual durante a gravidez em função das suas condições físicas e psicológicas. Tão normal é ter falta de líbido como um desejo mais acentuado do que o habitual, e tudo tem a sua explicação.

Hormonas da gravidez: culpadas da falta de líbido durante o primeiro trimestre

No primeiro trimestre de gravidez a falta de líbido costuma ser devida à “tempestade hormonal” que vive a grávida no seu organismo. O seu corpo está a preparar-se, em esforço, para acolher um convidado de luxo: o futuro bebé. E, para tal, requer mudanças hormonais que tornam possível, entre outras coisas, o desenvolvimento do embrião e, posteriormente, do feto, bem como a formação da placenta, o que não é coisa pouca. Como consequência destas mudanças drásticas na organização hormonal, a mãe costuma ter enjoos  e sentir-se muito cansada durante as primeiras semanas de gravidez, além de ter sono a qualquer momento, pelo que, talvez, a última coisa em que pensa seja em ter relações sexuais. Não se preocupe! Trata-se de um estado passageiro que vai dar lugar ao trimestre “estrela” para o amor: o segundo.

Segundo trimestre: mais prazer do que nunca!

Se o primeiro trimestre é para assentar e aceitar a própria gravidez, o segundo trimestre é, sem dúvida, o melhor para subir a líbido. A futura mamã já é muito consciente da sua gravidez, os enjoos e o cansaço já diminuíram e a grávida encontra-se radiante, com as suas novas e subgerentes curvas, os seios mais proeminentes e redondos do que nunca e, sobretudo, uma vagina mais irrigada, devido ao aumento do volume do útero, o que também faz com que a mulher esteja mais sensível e recetiva ao prazer. Não se espante se viver o orgasmo da sua vida quando estiver grávida!

Terceiro trimestre: o peso e o volume fazem-se notar

Está a chegar à reta final e o volume e peso da sua barriga fazem-se notar. Agora torna-se difícil encontrar uma posição cómoda para fazer amor. Além disso, a altura do útero é tal que os seus órgãos internos se deslocaram para cima, tal como o estômago e os pulmões, que são mais pressionados. Em consequência de tudo isto, pode sentir desconfortos como o ardor de estômago, sensação de falta de ar ou cansaço ao realizar um esforço. Com este panorama, é normal que a líbido volte a descer, já que o seu organismo necessita de descanso e, psicologicamente, se está a preparar para o parto, com a cabeça cheia de tarefas que tem de deixar prontas em pouco tempo. Novamente devem, em casal, permitir-se esta diminuição de desejo e experimentar, se vos apetecer, alternativas às relações sexuais convencionais, tais como as carícias, a masturbação mútua ou o sexo oral. Tudo vai voltar ao sítio no momento certo! Apesar de tudo, se não têm nenhum problema e o desejo não escasseia, lembre-se que fazer amor próximo da data prevista para o parto pode desencadear as contrações e a dilatação.

Os medos e preconceitos que deixam a líbido de rastos

Nem tudo se deve às hormonas e às mudanças fisiológicas da grávida. Por vezes, por trás da falta de líbido escondem-se medos e preconceitos que podem ser difíceis de erradicar para os membros do casal. Sem ir mais longe, muitos futuros pais têm medo de magoar o bebé durante as relações, ou então, especialmente o pai, pode ter uma imagem distorcida da sua mulher grávida, uma espécie de “aura de maternidade” que a torna intocável. Trata-se de um exagero, é evidente, mas são fruto de ideias e pensamentos que se colam à mente e que não são fáceis de superar.

 

 

Também lhe interessa

Líbido na gravidez aumenta ou diminui? | O Meu Bebé Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (0)