Mi bebé y yo

Benefícios da dança do ventre durante a gravidez

( 0 votos) load
facebook twitter whatsapp

A dança do ventre baseia-se em movimentos que, desde a antiguidade, estão relacionados com a maternidade, desde a conceção até ao momento do nascimento. Descubra todos os benefícios para si e para o seu bebé, antes e depois do parto.

A dança do ventre pode ser considerada como a forma de movimento mais natural durante a gravidez. De facto, durante a espera, apresenta-se uma série de conduções muito favoráveis: graças à ação das hormonas, as articulações ficam muito mais flexíveis e isso permite dar maior espontaneidade e facilita os movimentos rotativos e ondulantes. E, sobretudo, este é um período no qual a mulher está mais disposta a ouvir o seu corpo e é muito beneficiada pelos movimentos, que a ajudam a interiorizar ainda mais a experiência da gravidez.

A dança do ventre é um exercício muito útil, especialmente para as mamãs muito ansiosas e super organizadas, que, deste modo, podem dedicar a elas mesmas um pouco de tempo para entrar em contacto com o seu bebé.

A dança do ventre não tem nenhuma contra indicação durante a gravidez, porque não é necessário forçar os movimentos. No entanto, é preferível deixar passar o primeiro trimestre, durante o qual o corpo se tem de adaptar à gravidez. Depois, se a mulher quiser, pode continuar até às últimas semanas e voltar a começar um mês depois do parto, se este tiver sido natural, ou passados três meses em caso de cesariana.

(Também lhe interessa: Um parto na água)

(Também lhe interessa: Cesariana: como recuperar rapidamente)

Benefícios físicos da dança do ventre

A dança do ventre, além de estimular o contacto com o bebé, tem muitos benefícios para a futura mamã:

  • Permite fortalecer o corpo, pois trabalha com todos os músculos,
  • É boa para a circulação, graças aos movimentos contínuos das pernas, que estimulam o retorno venoso, e que se vão tornando mais lentos à medida que a barriga cresce.
  • Mobiliza a coluna vertebral.
  • Ajuda a manter uma postura correta, com os ombros abertos e a pélvis bem posicionada, evitando a lordose típica dos últimos meses de gravidez.

(Também lhe interessa: Dor nos rins na gravidez: como tratar?)

  • Os movimentos de braços e de ombros favorecem a tonificação muscular dos peitorais e ajudam a apoiar o peito, prevenindo a sua “queda”.
  • Os movimentos ondulatórios típicos das ancas são um treino perfeito para os músculos pélvicos, estratégicos na altura do parto, e também durante a gravidez, para combater os problemas de incontinência urinária.
  • Os frequentes alongamentos e contrações da pele contribuem para a manter elástica e resistente, com uma eficaz ação anti-estrias.

(Também lhe interessa: Pequeno-almoço para grávidas: como deve ser)

Benefícios psicológicos da dança do ventre

Do ponto de vista psicológico, o maior benefício da dança do ventre é que a mulher pode concentrar-se no seu corpo e ser consciente e dona dele. Isto não só permite sentir-se mais enérgica e cheia de vida, como também ensina a gostar de si, a superar as ansiedades deste período de transformações tão profundas.

Os movimentos sinuosos, além disso, fazem com que a mulher grávida se sinta mais bonita, uma ajuda muito importante numa fase em que se costuma duvidar da própria sensualidade, inclusivamente dentro do casal.

Dança do ventre e parto

O momento do parto é, seguramente, aquele no qual os ensinamentos da dança do ventre encontram a sua melhor aplicação. Graças ao treino dos últimos meses, a mulher sente-se preparada para enfrentar este evento sem ajudas exteriores. Durante o trabalho, a futura mamã descobre os aspetos em comum entre a alternância rítmica da contração e o relaxamento típico do trabalho de parto, e as contrações rítmicas da dança do ventre, assim que usa de forma espontânea os movimentos rotatórios seguindo a respiração para aliviar a dor das contrações e facilitar a saída do bebé.

(Também lhe interessa: As contrações de parto: como se reconhecem)

Dança do ventre e pós-parto

Inclusivamente depois do nascimento do bebé, a mamã pode obter benefícios da dança do ventre. Nos primeiros meses, a dança ajuda a recuperar o contacto com um corpo que, em tão poucos meses, teve tantas transformações e, porque não, permite voltar mais rapidamente à sua forma original.

Mas há mais: voltar a fazer dança do ventre é uma forma de cultivar um espaço de alegria e tranquilidade apenas para si. Normalmente, depois de ter filhos, costumamos descuidar o nosso corpo e as nossas necessidades emocionais, mas cada mamã necessita de energias para poder cuidar o melhor possível do seu filho. Um aspeto ainda mais importante numa fase na qual é muito fácil ir abaixo é voltar a encontrar-se, inclusivamente com outras mamãs: isto faz-nos sentir que, embora sem dúvida tenham havido mudanças na nossa vida, continuamos a ser nós mesmas, enriquecidas pela experiência da maternidade.

História da dança do ventre

Desde a antiguidade que a dança do ventre está relacionada com a maternidade, desde a conceção (o movimento rítmico favoreceria a criação de uma nova vida) até ao momento do nascimento, quando os movimentos ondulatórios, lentos e suaves desta dança se usavam para facilitar a saída do bebé. No entanto, hoje em dia, usa-se como ritual para o parto das mulheres de muitas zonas do médio oriente: dança-se à volta da mãe que está a dar à luz de modo a convidá-la a ouvir as mensagens que vêm do corpo e seguir, com os movimentos ondulatórios das ancas, as contrações. A dança do ventre convida a olharmos para dentro, a responder com o corpo às sensações interiores: uma conceção muito distante dos estereótipos ocidentais, que veem esta dança como uma simples forma de exibição para usufruto dos outros.

Também lhe interessa

Dança do ventre durante a gravidez | O Meu Bebé Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (0)