Mi bebé y yo

Perturbações do sono em bebés e as suas soluções

( 0 votos) load
facebook twitter whatsapp

O bebé não sabe dormir sozinho, dói-lhe a barriga, tem medo do escuro… Estes são alguns dos transtornos do sono que mais afetam os bebés. Descubra, neste artigo, quais são as perturbações do sono dos bebés mais comuns e quais as suas soluções.

 O bebé não consegue dormir sozinho, acorda continuamente durante a noite, dói-lhe a barriga, pede para mamar, tem medo do escuro… Estas são algumas das perturbações do sono que mais afetam o bebé e que podem transformar o sono num grande problema.

Entender o que é que transtorna o bebé e atuar corretamente perante as diferentes circunstâncias é o método mais seguro para o ajudar a recuperar o seu ritmo natural de sono sem que caia em maus hábitos.

Transtornos do sono mais comuns e suas soluções

  • Tudo é demasiado novo para ele. Passou do útero a um mundo desconhecido. O bebé tem de se habituar aos estímulos externos: acorda frequentemente e chora sem motivo aparente.

O que fazer? Deve transmitir-lhe segurança. Para o ajudar a adormecer, ponha na sua cama uma peça de roupa ou um boneco.

  • Ainda tem fome. A sua vida segue os ritmos dos horários da comida, por isso é normal que quando se retira a toma noturna o bebé acorde para pedir leite.

O que fazer? Adie o mais possível a hora da última mamada noturna.

(Também lhe interessa: Amamentação mista: quantidades e benefícios)

  • Chora à noite. O choro do bebé é característico dos primeiros três meses de vida. Esta crise indica que o bebé começa a perceber a diferença entre o dia e a noite, e que esta novidade o inquieta.

O que fazer? Deite-o de forma doce, deixe que chore e se tranquilize e vai acabar por dormir de cansaço.

  • Não está bem. Uma constipação, uma dermatite causada pela fralda, febre… são pequenos problemas de saúde que o podem deixar nervoso.

O que fazer? Na fase aguda da doença pode levar-se o berço para o quarto dos pais.

  • Tem dor de barriga. Este desconforto é frequente entre as três semanas e os três meses e é devido às cólicas do lactente, típicas dos primeiros dias. Desaparecem espontaneamente a partir dos três ou quatro meses.

O que fazer? Faça uma massagem na sua barriguita no sentido das agulhas do relógio e, para combater as crises mais intensas, consulte o pediatra.

  • Tem saudades da mãe. A mudança devida ao regresso ao trabalho da mamã tem uma repercussão sobre o estado de ânimo do bebé.

O que fazer? Informe a pessoa que ficar a tomar conta do bebé (ama, creche, avós…) de quais são os horários habituais das tomas e das sestas e organize os seus horários de modo a poder passar o máximo de tempo possível com ele.

  • Tem medo da solidão. Por volta dos oito ou nove meses, o bebé começa a notar a presença ou ausência dos seus pais.

O que fazer? Transmitir-lhe ternura e segurança, explicando-lhe que o pai e a mãe estão com ele. No entanto, quando se meter na cama, não fique juntamente com ele.

  • Tem medo do escuro. Este medo manifesta-se por volta dos dois anos, quando o bebé começa a desenvolver uma grande imaginação.

O que fazer? Ficar ao seu lado não o ajuda a superar o seu medo, e menos ainda pôr-se a procurar monstros. O melhor é explicar-lhe que está em segurança.

Também lhe interessa

Perturbações do sono em bebés e as suas soluções | O Meu Bebé Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (2)

Acho certos pontos deste artigo completamente descabidos. Ensinar os pais a contrariar o instinto natural que é o de acalmar o bebé, dar mimo, conforto e amor é absolutamente errado. Deixar um bebé sem conforto a chorar até adormecer é do pior que há. Se não pode confiar nos pais e cuidadores em quem confiará? É duro acordar muitas vezes de noite para os sossegar mas isso é o nosso compromisso, cuidar e amar os nossos filhos e nunca ignorar os instintos de que a natureza tão bem nos dotou.
Este artigo é uma vergonha. Incorrecto, baseado em mitos e absolutamente errado no cuidado aos bebés. Não compreendo como uma revista destas tem este nível de ignorância!!