O meu bebé

O que é a crise de amamentação e porque é que acontece?

Muitos bebés sofrem do que se chama crise de amamentação ao longo dos seus primeiros 12 meses de vida. Durante as também chamadas crises de crescimento, os recém-nascidos podem chegar a necessitar de até 12 tomas num só dia. Vamos falar-lhe em pormenor sobre a crise da amamentação!

O aumento do número de tomas devido à crise de crescimento é algo temporal e não costuma durar mais de três semanas. Depois o bebé volta a pedir o número de tomas habitual.

Porque é que acontece esta crise de crescimento na amamentação?

Existe uma razão simples e concreta que explica a necessidade do bebé beber mais leite: o pequeno está a passar por um período de crescimento e necessita de mais leite para se saciar.

(Também lhe interessa: Tudo o que tem de saber sobre a amamentação materna e artificial)

A esta crise de amamentação, frequentemente, também se chama crise dos três meses. O bebé costuma acordar mais durante a noite e pede mama muito mais frequentemente. Além disso, pode chorar mais e parecer que tem sempre fome. Os bebés, frequenteente, ficam irrequietos e este facto preocupa bastante as mães, que por vezes duvidam da sua capacidade de alimentar o bebé.

(Também lhe interessa: Erros na amamentação materna)

Apesar deste fenómeno ser mais frequente entre os três e os quatro meses, a crise de crescimento pode acontecer aos seis meses de vida do bebé, e, como tal, é importante que a mamã a saiba identificar corretamente. Há uma série de sintomas da crise de amamentação que a podem orientar:

O bebé mama menos mas muito mais frequentemente. Já não faz tantas mamadas longas como fazia antes.

As mamas da mãe costumam ficar menos firmes e inchadas, não se nota a subida de leite, mas ao apertar-se sai.

O bebé não engorda tanto como em meses anteriores, mas tal é completamente normal.

O bebé põe a mão na boca muitas vezes, ou chucha no dedo, o que pode ser interpretado como um sinal de fome.

O bebé também evacua menos. Não é necessário mudar tanto as fraldas como anteriormente.

A crise de crescimento não é, no entanto, um desajuste: na realidade o que está a acontecer é uma regulação entre a oferta e a procura, ou seja, a quantidade de leite acabou por se ajustar ao que o pequeno necessita realmente. O bebé aprendeu a comer de uma forma mais eficaz e não necessita de tanto tempo, o que significa que está a crescer e o seu apetite aumentou. É por isso que esta fase também é chamada de pico de crescimento.

(Também lhe interessa: Como produzir mais leite materno)

A mamã deve adaptar-se a esta nova necessidade do bebé e alimentá-lo quando ele necessite. Quanto mais mama lhe der, mais vai aumentar a produção de leite, embora também possa estimular a produção usando uma bomba de tirar leite.

Também lhe interessa…