scorecardresearch
Siga-nos
Mi bebé y yo

Cintas pós-parto: é melhor usar ou não?

( 1 voto) load
facebook twitter whatsapp

Depois de a mãe dar à luz, a barriga perde tónus muscular e está muito mais volumosa, como seria de esperar. Por esta razão, muitas mulheres se interessam pelo uso de cintas pós-parto. Mas, será bom usar uma cinta de contenção? Vamos explicar-lho.

Após o parto, a barriga da mãe costuma ter mais volume do que antes da gravidez. Esta situação pode durar mais ou menos tempo, dependendo dos casos. Os músculos do abdómen foram submetidos a uma dura prova durante nove meses, é normal que necessitem de tempo e algum trabalho para voltar a ficar como antes. Algumas mães recentes sentem-se mais cómodas usando cintas pós-parto, porque se veem mais “contidas” e, assim, podem dissimular a barriguinha. Porém, será que é recomendável usar cintas durante o pós-parto? Será que contribuem para modelar a figura da mãe ou, pelo contrário, são um obstáculo para o processo de recuperação?

O que dizem os médicos? 

Os médicos têm pontos de vista diferentes quanto ao uso de cintas pós-parto, uma vez que não há uma opinião consensual a respeito. De facto, tal como indicam diversos estudos, os músculos e órgãos alterados durante a gravidez são capazes de se recolocar, sem necessidade de uma pressão externa através de uma cinta. Alguns especialistas, inclusive, alertam para a possibilidade de que as cintas pós-parto possam fazer com que os músculos percam força, se estes não tiverem de a fazer por si mesmos. Por esta razão, alguns profissionais desaconselham o uso de cintas pós-parto. Pelo contrário, outros médicos afirmam não haver qualquer problema no seu uso, uma vez que diminuem as dores e dão estabilidade às costas. De acordo com estes profissionais, a cinta pode começar a ser usada logo a partir do dia seguinte ao parto, aumentando o tempo da sua utilização de forma progressiva.

Se o parto foi por cesariana, também há opiniões contraditórias: alguns especialistas afirmam que o uso da cinta depois da cesariana é eficaz para a cicatrização da ferida e para reduzir a inflamação, e outros, pelo contrário, asseguram que não se pode usar cintas enquanto a incisão não estiver cicatrizada. Seja como for, o aconselhável é que consulte o médico sobre o uso da cinta pós-parto, uma vez que cada corpo, gravidez e parto são diferentes.

Vantagens e inconvenientes

  1. Vantagens do uso da cinta pós-parto:

• Correção da postura e estabilidade das costas.

• Diminuição da sensação de vazio no abdómen.

• Facilitam a mobilidade da mãe durante os primeiros dias após o parto.

       • Diminuição das dores resultantes do parto.

• Permitem que a mãe se sinta mais atraente, dissimulando a silhueta debaixo da roupa.

 

  1. Inconvenientes do uso da cinta pós-parto:

      • Enfraquecimento muscular devido ao facto de os músculos abdominais não se habituarem a trabalhar por si sós.

      • A cinta, por si só, não emagrece, pelo que é necessário fazer exercício físico para voltar a ficar como antes.

……….

(Também lhe interessa: Sintomas do parto)

(Também lhe interessa: O bebé recém nascido)

(Também lhe interessa: Tudo sobre bebés)

 



O que é?

A cinta é o “corpete” dos nossos dias. É uma peça de roupa interior fabricada com tecido elástico, com a função de modelar a silhueta da mulher. Muitas mães usam cintas pós-parto, mas serão realmente úteis? Quando a mãe a está a usar, fica com a sensação de não ter barriga, mas o efeito é temporário. Além disso, por ser uma peça contractiva, a cinta não ajuda os músculos abdominais a recuperar o tónus, o que se consegue simplesmente com a prática das atividades diárias habituais. Pegar no bebé ao colo, levá-lo a passear, etc. Exceto em casos muito particulares, não é aconselhável usá-la nestas situações, uma vez que seria um obstáculo a este processo espontâneo.

0

O que é?

A cinta é o “corpete” dos nossos dias. É uma peça de roupa interior fabricada com tecido elástico, com a função de modelar a silhueta da mulher. Muitas mães usam cintas pós-parto, mas serão realmente úteis? Quando a mãe a está a usar, fica com a sensação de não ter barriga, mas o efeito é temporário. Além disso, por ser uma peça contractiva, a cinta não ajuda os músculos abdominais a recuperar o tónus, o que se consegue simplesmente com a prática das atividades diárias habituais. Pegar no bebé ao colo, levá-lo a passear, etc. Exceto em casos muito particulares, não é aconselhável usá-la nestas situações, uma vez que seria um obstáculo a este processo espontâneo.

Quando usar?

Nalguns casos, a cinta pós-parto pode ter uma função de suporte. Por exemplo, quando a mulher sofre de peso em excesso e dor de costas, a cinta pode evitar que a lordose lombar piore e cause uma dor insuportável. Mas, mesmo nestas situações, a cinta não tem uma função estética e, sim, a de uma ajuda temporária. Não obstante, torna-se útil se a mãe tiver um dia particularmente cansativo.

1

Quando usar?

Nalguns casos, a cinta pós-parto pode ter uma função de suporte. Por exemplo, quando a mulher sofre de peso em excesso e dor de costas, a cinta pode evitar que a lordose lombar piore e cause uma dor insuportável. Mas, mesmo nestas situações, a cinta não tem uma função estética e, sim, a de uma ajuda temporária. Não obstante, torna-se útil se a mãe tiver um dia particularmente cansativo.

Contraindicações 

As cintas pós-parto podem ter contraindicações? Sim, de acordo com alguns estudos podem implicar um risco mais elevado de prolapso uterino e de incontinência urinária, na etapa da menopausa. A pressão intra-abdominal empurra os órgãos para baixo (na direção do pavimento pélvico), com consequências que serão visíveis anos mais tarde.

2

Contraindicações 

As cintas pós-parto podem ter contraindicações? Sim, de acordo com alguns estudos podem implicar um risco mais elevado de prolapso uterino e de incontinência urinária, na etapa da menopausa. A pressão intra-abdominal empurra os órgãos para baixo (na direção do pavimento pélvico), com consequências que serão visíveis anos mais tarde.

Exercício físico

Como fazer, então, para reduzir o tamanho da barriga? Através de exercícios físicos, que tonifiquem os músculos abdominais e que se poderão iniciar passados 40 dias do parto. A quarentena é o período de tempo necessário para a “reorganização” do organismo. Um bom exercício consiste em deitar-se de barriga para cima, pernas fletidas e os pés assentes no chão. Em seguida, erga o busto e leve o cotovelo direito ao joelho esquerdo (enquanto levanta o joelho esquerdo), de maneira que se cruzem à altura do abdómen. Depois, repita o movimento, levando o cotovelo esquerdo ao joelho direito.

3

Exercício físico

Como fazer, então, para reduzir o tamanho da barriga? Através de exercícios físicos, que tonifiquem os músculos abdominais e que se poderão iniciar passados 40 dias do parto. A quarentena é o período de tempo necessário para a “reorganização” do organismo. Um bom exercício consiste em deitar-se de barriga para cima, pernas fletidas e os pés assentes no chão. Em seguida, erga o busto e leve o cotovelo direito ao joelho esquerdo (enquanto levanta o joelho esquerdo), de maneira que se cruzem à altura do abdómen. Depois, repita o movimento, levando o cotovelo esquerdo ao joelho direito.

Ginástica moderada

Como deve ser a atividade física nesta etapa? Não existe uma regra válida para todas. As mães que já faziam exercício durante a gravidez terão, agora, mais resistência do que aquelas que não praticavam nenhum exercício. Por este motivo, cada mulher deve sentir qual é o seu limite, sem exagerar. Os exercícios caseiros são sempre positivos, desde que haja uma consciência do seu próprio corpo e que se saiba qual é o momento de parar. Caso contrário, é preferível ter como orientador um profissional, pelo menos nos primeiros tempos.

4

Ginástica moderada

Como deve ser a atividade física nesta etapa? Não existe uma regra válida para todas. As mães que já faziam exercício durante a gravidez terão, agora, mais resistência do que aquelas que não praticavam nenhum exercício. Por este motivo, cada mulher deve sentir qual é o seu limite, sem exagerar. Os exercícios caseiros são sempre positivos, desde que haja uma consciência do seu próprio corpo e que se saiba qual é o momento de parar. Caso contrário, é preferível ter como orientador um profissional, pelo menos nos primeiros tempos.

Que exercícios praticar?

Cerca de 40 dias depois do parto é preciso trabalhar os abdominais e o pavimento pélvico. Os exercícios que tonificam os abdominais superiores, normalmente, também trabalham os inferiores. Depois de trabalhar os abdominais, pode escolher entre diversos desportos: natação, pilates, yoga, etc. Por último, mas não menos importante, saiba que dar o peito ao bebé também a pode ajudar a recuperar a forma.

5

Que exercícios praticar?

Cerca de 40 dias depois do parto é preciso trabalhar os abdominais e o pavimento pélvico. Os exercícios que tonificam os abdominais superiores, normalmente, também trabalham os inferiores. Depois de trabalhar os abdominais, pode escolher entre diversos desportos: natação, pilates, yoga, etc. Por último, mas não menos importante, saiba que dar o peito ao bebé também a pode ajudar a recuperar a forma.

Foto 1 de 6
0
1
2
3
4
5

Também lhe interessa

Cintas pós-parto: é melhor usar ou não? | O Meu Bebé Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (0)

Registro