O meu bebé

A OMS recomenda às mães com coronavírus dar mama com máscara

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou às mamãs infetadas com o novo coronavírus continuar a dar mama aos seus bebés, mas usando máscaras e extremando as medidas de higiene. Explicamos-te tudo!

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda às mamãs infetadas pelo novo coronavírus não interromper a amamentação e continuar a dar mama ao bebé aumentando as medidas de higiene, usando máscara e lavando as mãos antes e depois de tocar no bebé.

É importante que as mamãs recentes, bem como as grávidas, prestem especial atenção ao possível aparecimento de sintomas de Covid-19, pois os seus corpos e sistemas imunitários podem estar mais expostos às infeções respiratórias. No caso das grávidas, dadas as mudanças que acontecem no organismo durante toda a gravidez; no caso das mamãs recentes por estarem a recuperar do parto e tudo o que tal implica.

A OMS destacou a importância das grávidas e mamãs recentes tomarem precauções para se proteger contra a doença provocada pelo Covid-19 e informarem o pessoal médico sobre eventuais sintomas.

(Também te interessa: Coronavirus)

A mamã pode estar acompanhada durante o parto

A OMS também lembrou que, por agora, não se detetou Covid-19 nas amostras de líquido amniótico ou de leite materno. Também não existe evidência alguma de que uma mulher possa transmitir o vírus ao bebé durante o parto.

A OMS recordou que todas as mulheres grávidas, inclusivamente quando se suspeite ou se tenha confirmado que têm Covid-19, têm direito a receber um atendimento de alta qualidade antes, durante e depois do parto. Tal inclui atendimentos de saúde pré-natal, neonatal, pós-parto, intraparto e mental.

Uma experiência de parto segura e positiva implica, como destaca a OMS, ser tratada com respeito e dignidade, ser acompanhada por uma pessoa da sua escolha durante o parto, ter uma comunicação clara por parte do pessoal do serviço de maternidade e contar com estratégias adequadas de alívio de dor.

Além disso, a OMS adverte que no caso de se suspeitar ou confirmar que a grávida está infetada com coronavírus, a equipa médica que a trata deve tomar todas as precauções adequadas para reduzir o seu risco de infeção e de terceiros, incluída a higiene de mãos e o uso de equipamento de proteção como luvas, bata e máscara hospitalar.

Por fim, a OMS também esclareceu que tanto as grávidas como as mulheres que deram à luz recentemente, incluídas as afetadas pelo Covid-19, devem ir às suas consultas de rotina. Além disso, a organização pediu ainda aos países que deem prioridade às grávidas que apresentam sintomas, realizando os exames necessários para detetar se contraíram a doença.