scorecardresearch
Siga-nos
Mi bebé y yo
Doenças
Doenças

Esquisar doenças por inicial

a b c d e f g h i l m n o p q r s t u v

Pubalgia na gravidez

facebook twitter whatsapp

A dor na púbis ou pubalgia geralmente manifesta-se a partir dos seis meses de gravidez, quando o peso da criança começa a sobrecarregar a pélvis. Pode aliviar-se com o repouso e tomando algumas precauções. Vamos explicar-lhe!

A dor na púbis ou a pubalgia, na gravidez é muito comum nas futuras mamãs. Vestir collants, sair do carro, subir de escadas ou mesmo virar-se na cama pode custar muito esforço e produzir dor quando sofre de pubalgia. Esta desordem geralmente afeta atletas que praticam uma atividade em que a articulação púbica é exercida de forma especial, como é o caso dos futebolistas. No entanto, também é muito comum durante a gravidez.

Causas da dor na púbis 

Normalmente, a pubalgia apresenta-se a partir dos 6 meses de gravidez, debido a mudanças de postura, provocadas por transformações do corpo e por movimentos do eixo corporal para a frente, assim como devido ao peso do bebé, que começa a cargar a pélvis. A isto, junta-se o efeito das hormonas, especialmente a progesterona, que faz com que as articulações fiquem muito mais flexíveis, o que permite que a pélvis se adapte melhor ao crescimento do feto e aos seus movimentos. 

Mais do que a pubalgia, no caso das futuras mães, seria mais correto falar de metástase da sínfise púbica ou DSP. É provavelmente o termo que o ginecologista usará. A púbis consiste em dois ossos que constituem a parte inferior do osso ilíaco e são unidos por uma articulação muito sensível, a sínfise púbica. É sobretudo nesta zona que se sente a dor que, dada a inserção nesta área dos músculos abdutores da coxa, se pode espalhar para a parte interna da perna. É importante enfatizar que, por mais irritante que seja, a pubalgia é um distúrbio leve, que não deve causar qualquer tipo de alarme, uma vez que não representa riscos para a saúde da futura mãe ou do bebé e, em geral, desaparece espontâneamente logo após o parto.

(Também lhe interessa: Pernas e pés inchados)

Como aliviar a dor?

No passado, as futuras mães que sofriam deste distúrbio recebiam um suplemento de cálcio e vitamina D para fortalecer os ossos. Hoje em dia, há uma tendência para sugerir terapias físicas, como osteopatia ou atividades aquáticas, onde a barriga pesa menos e diminui a dor. Desta forma, poderá trabalhar com esta parte do corpo e relaxar os músculos.
É aconselhável tomar analgésicos? Se a dor é especialmente aguda, o médico pode prescrever qualquer medicamento permitido durante a gravidez. No entanto, deve recordar que a medicação atenua o sintoma, mas não resolve o problema.

 

Alguns truques eficázes

Existem alguns “truques” que a podem ajudar a reduzir os sintomas de pubalgia.

- Manter as pernas o mais simétricas e paralelas possível. Quando se sai do carro, por exemplo, é conviniente tirar as duas pernas ao mesmo tempo e não uma despois da outra. Assim, é aconselhável carregar o peso sobre as duas pernas ao mesmo tempo. 

- Também é aconselhável evitar os trabalhos que obrigam a permanecer de pé muito tempo. Se não tem outro remédio, é importante realizar descansos (por exemplo, não passar a ferro durante mais de 20 minutos seguidos), tentando sempre repartir o peso entre ambas as articulações.

- Durante a noite, quando a futura mamã está na cama, é conviniente dormir com uma almofada entre as pernas, além disso é levantar-se muito lentamente, sobretudo, pela manhã, ao despertar. 

- Outras precauções são: estar sentada ao subir collants e calças, e descansar bastante durante o dia.

(Também lhe interessa: Dor ciática na gravidez)

(Também lhe interesa: Doenças na gravidez)




Também lhe interessa

Pubalgia na gravidez | O Meu Bebé Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (0)

Registro