scorecardresearch
O meu bebé
CATEGORY-ICON / Diseases Created with Sketch. Enfermedades
PESQUISAR DOENÇA
Esquisar doenças por inicial
a b c d e f g h i l m n o p q r s t u v

Dor de garganta: causas, diagnóstico e tratamentos

Febre alta, garganta vermelha e sensação geral de mal-estar: estes são os efeitos causados pelo estreptococo. Damos-lhe alguns conselhos para os eliminar e alguns remédios para a dor de garganta que irão acalmar a criança.

Raspagem da faringe: este é o nome de um exame de controlo tão simples como importante, já que é capaz de identificar uma bactéria bastante propagada na Europa, responsável pela amigdalite e faringite em crianças e adultos: o estreptococo. Este teste é muito útil para identificar e curar com eficácia as infeções que provocam a dor de garganta, e, como tal, previne o contágio dos gérmenes de uma criança a outra nas escolas e infantários.

(Também lhe interessa: Remédios para acalmar a tosse do bebé e da criança)

Como é diagnosticado?

Para recolher uma amostra de secreção da faringe para ser analisada, o médico introduz um cotonete com cerca de 15 a 20cm de comprimento na boca da criança e recolhe a amostra esfregando levemente a ponta de algodão nas anginas.

• Para ajudar o especialista nesta operação, os pais podem pegar na criança ao colo de modo a tranquilizá-la. Ao mesmo tempo, convém manter os braços e cabeça da criança bem seguros.

• Não se trata de um exame invasivo, mas é ligeiramente incómodo e a criança pode agitar-se um pouco. Depois, a amostra recolhida é enviada para um laboratório de análises e ali é incubada para cultivo, para que se possa confirmar a possível presença do estreptococo.

Qual é o tratamento?

• Para encontrar o tratamento adequado sem que passe muito tempo, o médico deveria ter os primeiros resultados do exame em 24 horas. No entanto, muitas vezes os laboratórios só fornecem o resultado após três ou quatro dias.

Como alternativa, é possível efetuar um teste rápido na consulta com o pediatra que permita uma avaliação apenas em 10 minutos. No entanto, os testes rápidos não são 100% fiáveis e no caso de resultado positivo, a decisão de tratar a infeção ou não deveria ser tomada também com base nos sintomas e estado geral da criança. Se a dúvida permanecer, o melhor é efetuar o cultivo tradicional.

• Na verdade, um pediatra com experiência pode efetuar um diagnóstico com dados clínicos como, por exemplo,febre alta, garganta avermelhada e dorida e presença de placas na garganta. Neste caso o especialista poderia decidir administrar um antibiótico para contrabalançar os efeitos do estreptococo, inclusive sem realizar o exame de raspagem da faringe.

O estreptococo é uma bactéria bastante sensível aos antibióticos, os quais são capazes de o eliminar completamente. O mais importante é seguir o tratamento durante o tempo total indicado pelo pediatra (cerca de 10 dias).

• A razão pela qual o médico pode evitar tratar uma faringite através de antibiótico, é o facto de a inflamação poder ter sido causada por um vírus e neste caso o tratamento seria absolutamente injustificado e inútil.

• As faringites virais também podem manifestar-se sem febre alta ou garganta intensamente vermelha. Seria importante poder distinguir o tipo de infeção da faringe através dos sintomas e de uma exploração, com o fim de tomar a decisão terapêutica mais adequada.

(Também lhe interessa: Pneumonia infantil: sintomas, diagnóstico e tratamento)

Quem são os portadores saudáveis?

• Os dados epidemiológicos indicam que a percentagem de portadores saudáveis de estreptococo beta hemolítico do grupo A (ou seja, aqueles que possuem a bactéria, porém a doença não se desenvolve) pode oscilar entre 5 e 15%, em ausência de epidemia. No entanto, perante uma epidemia, a percentagem de portadores pode atingir 40%. Esta situação pode durar meses e não está associada a um risco significativo de complicações ou contágio. Os portadores saudáveis do estreptococo não correm risco e dificilmente contagiam, pelo que não necessitam tratamento.

Casos diferentes: faringite e amigdalofaringite

A faringite: é uma inflamação da faringe, a zona situada no fundo da cavidade oral. Pode ser provocada por um vírus ou pelo estreptococo beta hemolítico do grupo A. Neste último caso, costuma ser acompanhada de amigdalite, a inflamação das amígdalas (estruturas ovaladas que se encontram nos lados da faringe).

A amigdalofaringite: se for causada pelo estreptococo do grupo A, costuma ser acompanhada de placas brancas na garganta e febre alta, que pode atingir 40 ºC. Trata-se de um problema que raramente ocorre durante o primeiro ano de vida, porém, torna-se mais frequente durante o crescimento; a sua incidência é mais elevada entre os 4 e os 10 anos de idade e, geralmente, é tratada com antibiótico. Pelo contrário, na sua forma viral, a faringite é curada agindo de modo sintomático sobre a febre.

Quem é o responsável?

Trata-se de um inimigo que pode provocar numerosas infeções e danificar o organismo. Os estreptococos são bactérias de forma esférica ou ovalada, normalmente presentes na flora bacteriana da pele do intestino. O estreptococo Pyogenes, também conhecido como estreptococo beta hemolítico do grupo A, provoca infeções na faringe, mais frequentemente entre outubro e março, assim como infeções de pele como o impetigo, produzido sobretudo durante o verão. Este gérmen é responsável por doenças como a escarlatina, a otite, a sinusite e a pneumonia.

(Também lhe interessa: Otite nas crianças: o que deve saber)

Remédios caseiros para a dor de garganta

• Em caso de dor de garganta, muitos médicos aconselham parar o consumo de leite e lácteos porque estes favorecem a formação de mucosidade. Mas é necessário beber muitos líquidos, como sumos de fruta sem açúcar e chás, pois estes impedem o reaparecimento da febre e ajudam o organismo a desintoxicar.

O ambiente deve ser húmido. Pode utilizar um humidificador ou simplesmente colocar recipientes com água sobre aquecedores com algumas gotas de óleos essenciais de pinheiro, tomilho ou eucalipto.

• É necessário seguir uma dieta rica em verduras cruas, preferentemente de cor laranja ou amarela, como a cenoura e a abóbora, já que contêm betacarotenos, a partir dos quais o organismo obtém vitamina A. Também é aconselhável consumir kiwis e cítricos (laranja, tangerina, limão) porque são ricos em vitamina C. As vitaminas A e C, na verdade, estimulam e reforçam o sistema imunitário.

O consumo diário de um dente de alho misturado com a refeição é particularmente eficaz, já que contém substâncias que compensam as infeções virais e bacterianas.

• No caso de ter dor de garganta, também funciona comer gelado para reduzir a inflamação.

(Também lhe interessa: Doenças de crianças)


Também lhe interessa…