scorecardresearch
Siga-nos
Mi bebé y yo
Doenças
Doenças

Esquisar doenças por inicial

a b c d e f g h i l m n o p q r s t u v

Gravidez ectópica: sintomas, causas e tratamentos

facebook twitter whatsapp

A gravidez ectópica dá-se quando o embrião se implanta fora do útero, nas trompas de Falópio, nos ovários ou na cavidade abdominal. Quais são as causas? Como se diagnosticam? Que tratamentos existem?

A gravidez ectópica, ou extrauterina, acontece quando o embrião se implanta fora da cavidade uterina e começa a crescer fora do útero. Em certas ocasiões, o embrião implanta-se e desenvolve-se nas trompas, num ovário ou na cavidade abdominal.

O que é uma gravidez ectópica 

Uma vez fecundado na trompa, o óvulo inicia a divisão celular e empreende o caminho até à cavidade uterina, onde se implantará na mucosa preparada pelas hormonas. No entanto, um obstáculo pode bloquear o caminho do óvulo fecundado e retê-lo na trompa. A implantação do óvulo nas trompas de Falópio é o caso mais comum de gravidez extrauterina. Neste caso, o óvulo desenvolve-se implantado nas paredes da trompa, muito mais frágeis que as do útero, e nas quais procura vasos sanguíneos para se nutrir.

O sangue acumula-se na trompa, já dilatada pela presença do óvulo. Nesta situação, o óvulo, desnutrido e submetido às contrações das trompas, desprende-se das paredes e morre rapidamente. O momento em que a trompa se rompe provoca uma hemorragia abdominal.

Até há poucos anos, as gestações extrauterinas ocorriam em um entre cada 200 casos. No entanto, atualmente estes casos têm vindo a aumentar.

Causas da gravidez ectópica

Este tipo de gravidez dá-se quando, por uma ou outra razão, o óvulo fecundado não consegue chegar ao útero para se implantar e crescer. Vejamos os diferentes motivos para isto ocorrer:

- O óvulo pode ter dimensões desproporcionadas em relação ao diâmetro da trompa, não podendo, assim, deslocar-se até ao útero.

- A deslocação do óvulo pode ser lenta, não chegando ao útero.

- A trompa pode apresentar uma restrição anormal, não permitindo o movimento do óvulo.

- Alguns fatores podem causar o bloqueio, como as consequências de uma possível salpingite (infeção das trompas), intervenções cirúrgicas nas trompas, uma gravidez extrauterina anterior, ou malformações congénitas.

Sintomas da gravidez ectópica 

Os sinais de uma gravidez extrauterina podem surgir a partir das primeiras semanas de gravidez. Os sintomas mais comuns são:

- Dores constantes de um só lado do abdómen. Estas dores são mais ou menos agudas e aparecem durante o primeiro trimestre da gravidez. Podem acontecer isoladas, ou acompanhadas de náuseas, vertigens e distúrbios intestinais ou urinários.

- Os sintomas típicos de uma hemorragia interna (palidez, tensão baixa), também são comuns.

- Quando a rotura da trompa é súbita, a dor abdominal é intensa e dá-se uma hemorragia na cavidade abdominal. Além disso, a grávida aparenta uma palidez visível, ritmo cardíaco acelerado e uma pressão sanguínea tão baixa que não se consegue medir.

Como se diagnostica uma gravidez ectópica 

É fundamental um diagnóstico precoce para evitar consequências graves. A gravidez ectópica pode ser confirmada mediante um exame ginecológico exaustivo, análises laboratoriais (por exemplo, ao sangue) e uma ecografia.

Tratamentos da gravidez ectópica 

Os tratamentos para a gravidez extrauterina podem ser de dois tipos: cirúrgicos ou farmacológicos. Depende da clareza do diagnóstico, do tamanho do embrião e das técnicas disponíveis. No entanto, e apesar dos progressos, pelo menos por enquanto ainda não se conseguiu recolocar o óvulo no útero. Daí que o objetivo dos tratamentos, atualmente, seja o de interromper a gravidez extrauterina.

O tratamento farmacológico

Interrompe a gravidez e permite reabsorver o tecido que provoca a erosão das paredes da trompa. Um dos últimos avanços neste campo é uma injeção intramuscular única de metotrexato. Até há dois ou três anos atrás, as injeções eram mais numerosas e as doses mais altas.

O tratamento farmacológico apresenta inúmeras vantagens em relação à intervenção cirúrgica: atua a tempo e é indolor. No entanto, quando a medicação não é a melhor opção para tratar a gravidez ectópica, a cirurgia é o tratamento mais adequado.

Os fármacos estão contraindicados quando a gravidez ectópica está demasiado avançada, quando existem dores intensas ou hemorragias internas, quando a mãe está em período de amamentação, ou quando tem determinadas doenças que não permitem que a medicação seja uma boa escolha.

O tratamento cirúrgico

Quando se apresenta um quadro clínico estável e o embrião é suficientemente pequeno, pode ser extraído através de um procedimento denominado salpingostomia. Trata-se de uma intervenção cirúrgica que consiste numa incisão na trompa, extraindo do seu interior o óvulo fecundado, mediante uma laparoscopia. Realizam-se três pequenos cortes no abdómen, que permitem reduzir o período de convalescença para apenas 24 horas.

Este método conserva a trompa intacta. No entanto, se a trompa sofreu muitos danos ou se há hemorragias intensas, pode ser necessário extraí-la.

A salpingostomia está contraindicada nos casos em que, por exemplo, haja muito tecido cicatricial no abdómen, hemorragias intensas, ou um embrião demasiado grande. Neste caso deve-se recorrer a uma cirurgia abdominal de maior dimensão.

(Também lhe interessa: Doenças na gravidez

(Também lhe interessa: Pré-Eclampsia: uma doença da gravidez




Também lhe interessa

Gravidez ectópica: sintomas, causas e tratamentos | O Meu Bebé Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (0)

Registro