O meu bebé

A Bela Adormecida é uma história própria para crianças?

A Bela Adormecida é um conto de fadas que surgiu da tradição oral. Embora existam muitas versões, atualmente este conto é mundialmente famoso devido à adaptação cinematográfica realizada pela Disney.

A história da Bela Adormecida vai buscar parte do seu argumento ao conto de Charles Perrault, um escritor francês do século XVII, e também recebe influência de alguns dos elementos dos Irmãos Grimm, dois escritores do século XVIII, famosos pelas suas histórias para crianças. O sucesso da versão cinematográfica da Walt Disney Pictures, do ano de 1959, fez com que o conto se popularizasse ainda mais, ocupando um lugar para toda a vida como um dos filmes e histórias imprescindíveis para crianças.

(Também lhe interessa: Porque é que as crianças gostam tanto da música do Frozen?)

“A Bela Adormecida” - história original não é apropriada para crianças

Embora pudéssemos pensar o contrário, a versão original da história da Bela Adormecida não seria em absoluto recomendável para as crianças. O enredo central do conto que conhecemos é o seguinte: uma bruxa malvada enfeitiça a princesa do reino, vaticinando que aos 16 anos se picará com o fuso de uma roca e morrerá. Quando tal aconteça, vai dormir para sempre até que um príncipe a acorde com um beijo.

Não obstante, a história original é muito mais sombria. Foi escrita por Giambattista Basile, chamava-se “Sol, Lua e Tália” e fazia parte de uma coleção de narrações conhecida por “Pentamerone”.

O princípio da história é semelhante ao que conhecemos: a jovem princesa Tália pica-se no dedo com uma agulha e morre, pelo que o rei, aflito e desconsolado, deposita o cadáver da filha no palácio, que fecha e abandona. O que vem depois, no entanto, é que não coincide com a história que todos conhecemos.

A Bela Adormecida foi possuída por um nobre caçador e, nove meses depois, deu à luz um menino e uma menina, chamados Sol e Lua. Estas crianças foram criadas pelas fadas que acompanhavam a princesa, e Sol, numa tentativa de tomar o peito da mãe, chucha o seu dedo conseguindo, por acaso, extrair a lasca envenenada. A partir desse momento, a Bela Adormecida acorda.

O caçador descobre que a princesa está acordada e que tem dois filhos seus, e ambos decidem, desta vez de forma consentida, iniciar uma relação embora o caçador já tivesse uma esposa. Esta mulher, ao saber da infidelidade do seu marido, sequestra as crianças e diz ao cozinheiro que os degole e faça um saboroso prato com a sua carne, e ordena que Tália seja queimada numa fogueira.

O nobre caçador, ao saber o que a sua esposa fez, decide queimá-la juntamente com todos os que participaram nesta cruel iniciativa. No entanto, Tália não chegou a ser queimada, dado que o caçador ouviu os seus gritos de dor e conseguiu salvá-la. Por outro lado, os meninos Sol e Lua não foram assassinados porque o cozinheiro teve pena deles e substituiu-os por carne de cabra.

Por fim, o nobre caçador e Tália casaram-se e o cozinheiro recebeu o honorário título de tesoureiro real.

(Também lhe interessa: "Aladdin", uma história ideal para as crianças)

Diferenças entre o filme de “A Bela Adormecida” e a história original

Uma história, como a da Bela Adormecida, na qual se fala de relações não consentidas, assassinatos e vinganças não é apropriada para contar a uma criança. Como tal, torna-se imprescindível que, se quer contar esta história ao seu filho, não recorra à fonte original. Em 1987, Charles Perrault rescreveu a história de Tália eliminando o caçador e substituindo-o por um príncipe que a despertou apenas com um beijo. Só depois, após uma relação consentida, teriam duas filhas, que não foram aceites pela rainha.

Este conto foi chamado “A Bela Adormecida no Bosque” e, embora a sua história fosse muito mais açucarada do que a original, os Irmãos Grimm narraram de novo o conto, que é o que hoje em dia todos conhecemos graças à versão cinematográfica de Walt Disney.

(Também lhe interessa: Os personagens Disney preferidos das crianças)

Entre as alterações mais notórias, vemos que os pais da princesa, agora chamada Aurora, e o pai do príncipe, já tinham acordado o casamento dos seus filhos para manter uma boa relação entre os seus respetivos reinos. A princesa não dormiria cem anos, e seria cuidada por três alegres fadas na idílica Cabana do Lenhador, para que ficasse protegida da malvadez da bruxa, Malévola.

A história não tem quase nada a ver com a original, além da picada com o fuso da roca e o longo sono da princesa. Também não tem muito a ver com os últimos filmes de ação real, como “Malévola”.

O filme da Disney é apropriado para as crianças?

O filme “A Bela Adormecida” da Disney é apropriado para as crianças porque nela intervêm personagens divertidos, que enfrentam situações cheias de aventura. Por outro lado, é importante realçar que, como na maioria dos filmes da Disney, há um personagem malvado que se pode chegar a considerar terrorífico: Malévola. Os pais devem avaliar se os seus filhos conseguem identificar a identidade deste personagem como falsa.

(Também lhe interessa: Filmes infantis: os 10 que triunfaram em 2016)

Por fim, o filme está repleto de momentos cheios de fantasia e magia, canções adoráveis e situações divertidas, como o momento em que as fadas preparam o aniversário de Aurora. E, apesar da presença do personagem maligno, o filme acaba por ensinar que o amor e o bem acabam sempre por triunfar sobre o ódio e o mal.

Acha que o filme “A Bela Adormecida” é apropriado para crianças? Quais as histórias e filmes que considera melhores para os mais pequenos?

Também lhe interessa…