Mi bebé y yo

Iodo na gravidez: o porquê da sua importância

( 0 votos) load
facebook twitter whatsapp

Nos primeiros meses de gestação, é a mãe quem proporciona ao feto as hormonas necessárias. Por este motivo, é importante ter sob controlo os possíveis transtornos da tiroide da mulher grávida.

Durante a gravidez, as hormonas produzidas pela tiroide asseguram ao bebé um desenvolvimento normal do cérebro e dos núcleos de ossificação. Nos primeiros meses de gestação, a tiroide do feto ainda não funciona e é a mãe quem lhe proporciona as hormonas necessárias. Por este motivo, não se pode subestimar qualquer alteração no funcionamento da tiróide da mamã e é imprescindível a realização de todas as análises recomendadas antes e durante a gravidez.

A hiperfunção da tiroide (hipertiroidismo) é bastante rara, mas, por outro lado, o hipertiroidismo na gravidez é um transtorno muito frequente e, muitas vezes, é devido a uma carência de Iodo. De facto, este mineral é um componente essencial na síntese das hormonas tiroideias e, apesar da necessidade diária deste elemento ser muito baixa (um adulto necessita de entre 140 e 150 microgramas e um micrograma corresponde à milionésima parte de um grama) é muito difícil satisfazê-la porque o iodo é um mineral raro e pouco presente nos alimentos. Num estudo realizado em 2013, com grávidas, chegou-se à conclusão que 83% das grávidas do continente consumiam menos iodo do que o recomendado (apenas 17 % tinham os valores adequados). Realizaram-se ainda outros estudos e houve algumas medidas para o incremento do consumo de iodo.

Iodo na gravidez para prevenir o hipotiroidismo

Assegurar a quantidade diária necessária de iodo durante a gravidez é a primeira precaução fundamental para diminuir o risco de hipotiroidismo:

  • - Usar sal iodado em vez de sal normal. Trata-se de um tipo de sal ao qual se adiciona artificialmente uma determinada quantidade de iodo, mantendo o seu sabor.
  • - Aumentar o consumo de produtos do mar: peixe, crustáceos e moluscos absorvem o iodo da água do mar e são boas fontes de minerais. O mesmo acontece com as algas.
  • - Comer ovos e produtos lácteos. Se não aprecia o peixe, os alimentos mais úteis neste caso são os ovos, o leite, os iogurtes e o queijo porque contêm uma quantidade moderada de iodo, ausente nas frutas e nas verduras (à exceção dos morangos e dos espinafres).
  • - Não coma muitos nabos, nozes e cebolas: trata-se de alimentos que contêm substâncias que podem dificultar a assimilação de iodo pelo organismo.
  • - Aumente o consumo de alimentos ricos em selénio tais como carne, alho e espinafres. Se este mineral escasseia no corpo, os processos de produção das hormonas tiroideias desenvolvem-se mais lentamente e consomem mais iodo.

Também lhe interessa

Iodo na gravidez: o porquê da sua importância | O Meu Bebé Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (0)