Mi bebé y yo

Complexo de Electra: o que é e como agir

( 0 votos) load
facebook twitter whatsapp

Tem papite? Quer casar-se com o seu papá? Muitas meninas, a partir dos três anos, sentem uma espécie de enamoramento pelo seu pai. Trata-se do complexo de Electra. Explicamos-lhe o que é exatamente e como deve atuar nestes casos.

Utilizamos a expressão “complexo de Electra” ou “complexo de Édipo”, no caso dos meninos, para definir a atração especial pelo progenitor do sexo oposto e consequente conflito com o do mesmo sexo. No caso da menina, por conseguinte, afeta o pai.

Em geral, o complexo de Electra é uma pulsão saudável cuja função é preparar a menina ou o menino para encarar os sentimentos de amor que, a partir da adolescência, vai sentir por uma pessoa alheia à família.

Segundo a mitologia grega, Electra era a filha de Agamémnon que foi assassinado pelo amante da sua mulher. Anos depois da perda do pai, Electra convenceu o seu irmão a vingar a sua morte assassinando o assassino de Agamémnon e a sua cúmplice, a sua mãe.

No início do século XX, o psicanalista Jung utilizou o nome de Electra para denominar o que seria a versão feminina do complexo de Édipo.

Como lidar com o complexo de Electra

  • Os complexos de Electra e de Édipo dão-se em todas as crianças entre os três e os cinco anos. Manifestam-se através da linguagem, dos comportamentos e dos sonhos. Por exemplo, as meninas flirtam com o seu papá, adoram receber elogios dele e dedicam-lhe mimos e atenções. Queram o seu pai só para elas, nunca o perdem de vista e sentem-se orgulhosas quando saem com ele.

  • A atitude compreensiva dos pais pode ajudar a superar o complexo de Electra. É importante que estas manifestações de amor por parte da menina sejam acolhidas com uma extrema naturalidade, sem exagerar na complacência. Da mesma forma, o pai deverá transmitir à sua filha a seguinte mensagem: “Eu sou o teu pai, não o teu namorado. A minha namorada é a tua mãe e tu és a minha filha”. Para isso, os pais devem manter entre eles um comportamento afetuoso, inclusivamente na presença da filha. A pequena com complexo de Electra acaba por aperceber-se, gradualmente, que é pequena e que, por isso, não pode ser a namorada do seu pai.

(Também lhe interessa: Hiperparentalidade: o que é e quais são as suas consequências)

  • No início, a menina com complexo de Electra poderá mostrar rancor perante o progenitor “rival”, o qual tenta imitar e ganhar. Trata-se de um sentimento saudável, que faz parte de uma fase obrigatória para poder superar o conflito. Quando tal acontece, a menina redimensiona o carinho que sente pelo seu pai e volta a gostar, sem ciúmes, da sua mãe, que se transforma num modelo a seguir.

Complexo de Electra: erros que se têm de evitar

  • O complexo de Electra não se deve levar nunca ao extremo, mostrando-se excessivamente satisfeito com as atenções da filha.

 

  • Também é igualmente importante não se escandalizar quando a menina afirma que “se quer casar com o seu pai”, mas também não é apropriado o pai dizer -lhe “Claro, princesa, quando fores maior vamo-nos casar”. No caso do complexo de Electra é muito melhor responder, por exemplo: “Obrigada, mas eu sou o teu papá e não nos podemos casar. E eu já tenho uma esposa, a mamã”.

(Também lhe interessa: O cantinho para pensar: quando e como se deve usar)

A sua filha passou pelo complexo de Electra? Como é que agiu? Gostávamos muito de conhecer a sua experiência. Partilhe-a com as outras mamãs!

 

Também lhe interessa

Complexo de Electra: o que é e como agir | O meu bebé Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (0)