scorecardresearch
Siga-nos
Mi bebé y yo

Histórias para dormir: A história da gansa

( 2 votos) load
facebook twitter whatsapp

Uma gansa, que morava numa quinta, sentia-se muito infeliz com a vida que levava: sempre fechada numa cerca, sem nunca poder ver gente interessante. Um dia, tomou a decisão de fugir para um lugar distante.

Foi andando, andando, até entrar num bosque encantado. Rapidamente, fez amizade com uns esquilos e outros animaizinhos que só conhecia de nome, e assim, começou a ter uma vida muito mais despreocupada. Comia, dormia, conversava e, entretanto, cada vez engordava mais. Um belo dia passou por ela uma raposa, que reparou que a gansa estava muito gorda. Passado o primeiro momento de espanto, porque no bosque nunca vira nada igual, a raposa teve uma ideia. Aquela gansa podia ser uma bela refeição para o leão, que há meses estava doente na sua toca, e já nem tinha forças para caçar e procurar alimento. Se conseguisse levar-lhe a gansa, o rei leão poderia comer e, portanto, recuperar as forças. Depois, ficaria agradecido à raposa para todo o sempre. Isto era o que pensava a raposa, que, como todos sabem, é um animal muito astuto. Então, aproximou-se da gansa e disse-lhe com a voz mais doce que conseguiu:

“Querida gansa, não nos conhecemos, mas gostava de te contar um segredo. O leão está muito triste desde o dia em que, passando por aqui, te viu. Ele sente-se muito sozinho, mas, quando te viu, achou que podias ser a sua companheira ideal. Está encantado com a cor branca das tuas plumas, o teu porte elegante, o teu charme feminino e a tua alegria. Ouviu-te a falar com os esquilos e também queria entrar na conversa. Mas, sabes, o rei é tímido para fazer amizades e não teve coragem de te dizer nada. Gostava tanto de te levar ao seu covil para o conheceres e, quem sabe, talvez até te peça que cases com ele”

A gansa, feliz com tudo o que ouvia, concordou, sem sequer estranhar esta proposta tão surpreendente. E dirigiram-se juntos para o covil do leão onde, mesmo em frente à porta, a raposa se virou para a gansa e disse:

“Espera aqui só um bocadinho, quero preparar o leão para a tua visita. De outro modo, a emoção seria demasiado forte para ele!”

A gansa disse que sim, até porque precisava de alguns minutos a sós para pentear bem as plumas, de modo a que o leão a visse deslumbrante.

A raposa entrou na toca, aproximou-se do leão e disse:

“Trouxe-te um grande e saboroso jantar!”

O leão ficou contentíssimo com esta prenda inesperada e garantiu à raposa que sempre a protegeria, prometendo-lhe, também, um posto de conselheira do rei.

A raposa, satisfeita, saiu para ir buscar a gansa e acompanhá-la ao covil do leão. Assim que a infeliz se viu em frente ao leão, este deu um salto para lhe ferrar os dentes. Por sorte, o leão estava demasiado fraco e não conseguiu apanhar a sua vítima. A gansa, percebendo que tinha caído numa armadilha, largou a correr o mais depressa que podia. Milagrosamente, conseguiu escapar e voltar para o sítio do bosque onde antes vivia, e onde tinha tantos amigos.

O leão cada vez se sentia mais doente e, zangado com a raposa, exclamou:

“Odeio que me prometas uma coisa e depois não cumpras!”, disse ele. “Asseguraste-me um grande e saboroso jantar, e esse jantar… desapareceu!”

A raposa queria a todo o custo agradar ao leão e não perder o privilégio que este lhe havia prometido. Por isso, voltou ao lugar onde tinha encontrado a gansa e, com uma voz ainda mais enganadora, foi dizendo:

“Gansa, estou aqui da parte do leão, para te pedir desculpa. Ele estava nervoso e cansado. O que ele mais queria era que o tivesses visto em forma e, no entanto, quando chegaste viste-o fraquinho, como um trapo. Ficou aborrecido porque receou fazer má figura ao teu lado.”

A gansa ouvia tudo, cheia de curiosidade e com um pouquinho de esperança (tinha ficado muito desiludida por não ter feito amizade com o leão).

A raposa continuou:

“O leão mandou-me cá para te pedir perdão, quer que voltes para ele e começar, assim, uma linda relação de amizade, sincera e duradoura.”

A gansa acreditou no falso discurso da raposa, sem a mínima dúvida, e decidiu segui-la.

Quando entrou no covil, o leão já estava à sua espera, muito perto da entrada. A inocente gansa nem teve tempo para dizer “Bom dia”, quando o leão a apanhou para, depois, a comer duma só vez.

Tongo Bango, depois de contar esta longa história, disse assim ao tubarão:

“E agora, já percebeste? Só os burros caem duas vezes na mesma armadilha! A gansa era burrinha, eu não. Eu cá, não me pareço nada com a gansa!”

E depois, passando mesmo em frente ao nariz do tubarão, afastou-se satisfeito, por entre as árvores.




Também lhe interessa

História infantil: A história da gansa Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (0)

Registro