Mi bebé y yo

Castings para crianças: são recomendáveis?

( 0 votos) load
facebook twitter whatsapp

Está a pensar em inscrever o seu filho num casting infantil? Tem dúvidas sobre se o pode prejudicar? Costumam procurar-se crianças bonitas mas também expressivas, extrovertidas e desenrascadas. Vamos ver os prós e contras dos castings para crianças.

Os castings para crianças realizam-se nas agências de moda infantis, normalmente localizadas em grandes cidades, que procuram crianças para protagonizar catálogos de moda, desfiles ou anúncios publicitários. A franja de idades varia consoante o casting e pode ir desde bebés de apenas alguns meses até crianças à volta dos 12 anos de idade. As agências de moda, que são as que servem de intermediárias das empresas, costumam procurar um perfil muito concreto de crianças: as que tenham beleza e sejam expressivas, desenrascadas e com uma personalidade forte.

Se está a pensar em apresentar o seu filho num casting para crianças deve ter em conta os prós e os contras. Se se trata de um bebé ou ainda é muito pequeno provavelmente não se vai conta do que é exatamente um casting, mas quando são maiores as crianças já sabem do que se trata e podem sofrer um desgosto se, por exemplo, não forem selecionadas.

Em declarações ao jornal ABC a psicóloga especializada em emoções Ciara Molina lembra que é importante antes de inscrever uma criança num casting que os pais se façam a seguinte pergunta: “ A criança está ali porque quer ou porque nós queremos ver satisfeitas as nossas necessidades enquanto pais?”. Além disso, se a criança vai a um casting porque realmente quer, os pais devem ter em conta que para ela o casting é como mais uma brincadeira e, provavelmente, não tem a mesma importância que tem para um adulto.

(Também lhe interessa: A sua criança sofre bullying?)

Casting para crianças: uma competição?

Quando se vai com uma criança a um casting infantil deve ter-se em conta que entra em jogo o conceito de competição, que é precisamente o que pode transformar o casting em algo prejudicial. Assim, convém evitar incutir na criança esta ideia e ver o casting mais como uma brincadeira, evitando a competitividade com o resto de aspirantes. Na verdade, a criança pode estabelecer vínculos de amizade com as outras crianças que também se apresentam no casting, potenciando assim aspetos como o companheirismo.

A psicóloga Ciara Molina explica: “Se se vive o casting como uma brincadeira ou como uma oportunidade de passar um bom bocado, onde o que importa é divertir-se e não o resultado, não tem porque pressupor o aparecimento de sentimentos de frustração. No entanto, se se vive como uma competição onde o melhor é o que fica, ou se a posição que se alcança não é a que se achava justa, então aí sim pode haver lugar para essa mesma frustração.”

Como atuar perante a rejeição

Pode acontecer que, no casting, a criança não seja selecionada. Como agir para que o pequeno que não foi escolhido supere esta situação? Neste caso, é importante que os pais valorizem o esforço que a criança fez e que lhe digam que o mais importante é estar satisfeita consigo mesma. A autoestima passa a ter um papel preponderante neste caso e é importante reforça-la falando com a criança e perguntando-lhe como se sente, se quer voltar a experimentar e apresentar-se a outro casting ou se prefere não o voltar a fazer.

Em relação ao sentimento de frustração, é importante dizer que é uma coisa normal entre as crianças, que o desenvolvem por volta dos dois ou três anos de idade. Evidentemente, não é igual a frustração que pode sentir uma criança pequena que ainda não entende as mesmas coisas que uma criança de sete ou oito anos.

Pode gerar complexos?

Por fim, algo muito relevante que os pais devem ter em conta antes de apresentar o seu filho num casting: se o processo pode criar complexos nos mais pequenos, que podem surgir se não escolhem a criança pelo seu físico ou por alguma das suas características. Pode acontecer, por exemplo, que a criança esteja habituada a ouvir em sua casa que “é a mais linda do mundo” e, se vai ao casting e não é escolhida por motivos de beleza, se sinta injustiçada ou perdida. Neste caso, devido ao carácter ou maneira de ser da criança, se os pais têm dúvidas sobre se devem ou não ir a um casting, o melhor talvez seja não o fazerem para evitar o aparecimento de possíveis complexos na criança.

Alguma vez foi a um casting para crianças? Como foi a sua experiência? Partilhe-a com outras mamãs no final do artigo!

Também lhe interessa

Castings para crianças: são recomendáveis? | O meu bebé Qual é a sua opinião?

Tem que se registrar para poder escrever um comentáro ou votar. Pode registrar-se aqui ou, se já tem conta, pode entrar.
ACEDER Á SUA CONTA
Memorizar-me
Entrar
REGISTAR-ME
JUNTE-SE À COMUNIDADE O MEU BEBÉ
REGISTE-SE GRÁTIS

Comentários (0)